domingo, 19 de abril de 2015

Provérbio da Queda Livre

(Roy Lichtenstein)


(Tearjerker - Red Hot Chili Peppers)

Em momentos de alma desgastada
Encontrar você é encontrar, em mim, uma criança.

E todos estes cálculos embaralhando nossas cabeças
Parecem simples adições somando em nossas vidas.

Nada pode assustar quem já caiu de bicicleta.
E o tempo já renasceu tantas vezes que
Minha indiferença é algo sério demais
Para não dar uma risada.

Concentrados em um cadeado,
Planos e memórias são as extremidades da corrente.
Mas nem sempre eu preciso de tanta segurança
Para acordar chorando e resolver ser feliz.

O medo espreita quem deseja viver de sonhos e,
Em queda livre de um pesadelo,
O fundo do poço é na cama,
Onde a cabeça parece esmagar o travesseiro
Com toneladas de pensamentos.

Querer tocar a mais longínqua estrela
É passar a existir na insanidade de
Querer ser mais do que deveria alcançar,
Refazendo os planos, construindo memórias,
Acelerando constantemente para onde eu sempre evitei.

Contando pegadas no rastro de formigas
O castelo é de areia e imaginação.
Você é realidade, estória de pescador,
Inverno de Vivaldi devastando minhas emoções
Que guardei, até tua vinda, ao fogo sossegado.

Agora, sinto a guerra destes ventos frios
Ao inverno que contrasta com a tua existência e calor.

Aguardando a vinda do sol de um amanhecer cartesiano,
Caminho a passo lento pelo desejo da ingênua faísca em teu olhar,
Alegria que percorre tua boca ao sorrir de uma vida que joga em nossos limites.

Acompanho todo alvorecer retornar ao ponto de partida,
Na busca dos sonhos que se camuflam na razão de tua luz matutina. 

(Bruno Tadeu Lopes)

3 comentários :

Natália Bayeh disse...

Nossa, suspirei.

Lindo.

Bruno Tadeu Lopes disse...

Imaginar você suspirando ao ler trouxe mais poesia.

Linda.

Natália Bayeh disse...

Sempre suspiro com seus versos.