terça-feira, 18 de janeiro de 2011

escrita torta




Dessa Vez Foi Demais - Eddie

Espere, pois já traço um risco sem dor.
Não fique vendo, meu público é íntimo em meu interior.
Só me diga uma palavra que salve, e segure esse papel de escrita torta.
A cadeira está infestada de noites pesadas.
Esses óculos cansaram de apoiar a visão distorcida do amor.
Agora já não sei mais...
Quem é o lugar sem destino?
Qual a sobra daquilo que não começou?
Basta!
Algo vai falar, alguém vai sentir, mas não importa... ou sim?
É de cá, não é estranho.
Sabe quando o sol reflete forte no muro caiado?
Parece que é ele se apoderando de toda a luz e... nada mais parece fazer se compreender. É tudo em meio do nada. É uma identificação que quebra o espelho para refletir além da própria imagem. Minha escrita não pode tanto quanto, sou egoísta, teria que não ser. Sabe aquela dor? Já não existe mais. Certo que virão outras. E quando chegar olharei para o muro e riscarei em papel as letras tortas, por ser assim, eu, essência de minhas palavras.

Bruno Tadeu Lopes

2 comentários :

Valéria Gomes disse...

Belas palavras, meu querido!!!
Que a sua semana seja tranquila e alegre!!!

Beijos de passarinho!!!

Bruno Tadeu disse...

Obrigado, Valéria. A cada dia faço dos meus dias mais alegres e ter companhias como a sua aqui só fazem tudo ser melhor e mais bonito.

Beijos de papel de letras tortas!!! ;)