segunda-feira, 24 de maio de 2010

Tributo a John Williams pela OSB no Theatro Municipal do Rio de Janeiro

OSB antes do concerto (Fotografia Bruno Tadeu)

Você gosta de cinema? E de música clássica?
Pois é, os dois andam juntos. Quer ver(e ouvir)?
No último sábado(22/05/2010) fui ao concerto da Série “Fora de Sério” da Orquestra Sinfônica Brasileira(OSB), que completa 70 anos de existência, no Theatro Municipal do Rio de Janeiro. A apresentação foi um tributo a John Williams.
“Indicado ao Oscar 40 vezes, Williams ganhou a estatueta por cinco trilhas diferentes, dentre elas Guerra nas Estrelas, E.T. O Extraterrestre e a Lista de Schindler.”
Ontem, a orquestra foi regida por Roberto Minczuk, também diretor artístico da OSB, e teve a participação dos solistas Leonardo Sousa (vibrafone) e Daniel Guedes (violino). A seleção musical oficial do programa era Harry Potter e a Pedra Filosofal, Jurassic Park(O Parque dos Dinossauros), Indiana Jones e Os Caçadores da Arca Perdida, A lista de Schindler, Tubarão, Guerra nas Estrelas, Superman e Prenda-me se for Capaz (será que você conhece alguma destas trilhas?), mas foi alterada a ordem de apresentação, avisado pelo maestro antes do espetáculo, e acrescentado mais duas trilhas. A do filme E.T. e uma que segundo Minczuk não poderíamos sair sem ouvir. Esta última não foi escrita por Williams, mas foi feito um arranjo por ele. Estou falando do bravíssimo tango do mestre Carlos Gardel intitulado “Por Una Cabeza” (1935), muito conhecido na cena do filme Perfume de Mulher (Scent of a Woman), do ano de 1992, onde Al Pacino dança o tango no restaurante.

OSB (fotografia Marcio Pinheiro)

Lembrada pelo meu amigo Marcio Pinheiro, a nova ordem musical ficou assim definida:
Superman
Tubarão
Harry Potter e a Pedra Filosofal
Prenda-me Se For Capaz
Indiana Jones e Os Caçadores da Arca Perdida
(intervalo de 15 minutos)
Jurassic Park - O Parque dos Dinossauros
A Lista de Schindler
Star Wars
E.T. - O Extraterrestre

Todo o espetáculo da noite foi muito empolgante, a platéia vibrava, alguns infelizmente estavam tão empolgados que aplaudiam até em momentos errados (2 ou 3 vezes), mas tudo bem, isso não apaga o brilho e glamour da noite. Mas algo especial e muito divertido aconteceu no fechamento, onde, com a trilha de Guerra nas Estrelas as luzes reduzem para a aparição de um novo regente que era ninguém menos que o próprio Darth Vader empunhando seu sabre de luz vermelho no lugar da baqueta e com gestos hilários conduzia a orquestra. Ao final o maestro Minczuk volta, também com seu sabre de luz, azul, e numa rápida brincadeira desafia Darth Vader.
Foram todos muito aplaudidos no lindo, histórico e recém reformado Theatro Municipal do Rio de Janeiro. Momentos que tenho orgulho de dizer que sou carioca.

Darth Vader regendo a OSB (fotografia Rodrigo Nascimento)

Só por curiosidade, na noite de domingo (23/05/2010) no programa Fantástico da rede Globo, foi exibida uma reportagem com o maestro da OSB, Roberto Minczuk, falando sobre uma descoberta durante a reforma no TMRJ.
“O teatro centenário estava sem brilho. No alto da fachada, um enfeite escurecido pelo tempo e a poluição guardava uma curiosidade: uma partitura com notas quase apagadas.
Agora, iluminada por folhas de ouro, transcrita para o papel e tocada no piano, a música voltou do passado.
Os maestros reconheceram o início do Hino Nacional, mas não na versão que estamos acostumados a cantar e sim na original, composta por Francisco Manuel da Silva, com inspiração na ópera italiana e notas tão agudas que tornam a música muito difícil de ser cantada.”
Quem quiser pode ver a reportagem inteira no site da globo entrando no link ao lado: Encontrada partitura com versão original do Hino Nacional